Numa gravidez sem risco aparente de complicações para a mãe ou para o feto, são realizadas três ecografias, uma em cada trimestre.

A ecografia do 1º trimestre, realizada entre as 11 semanas e as 13 semanas e 6 dias, tem como objetivos principais:
  • Confirmar a viabilidade fetal
  • Determinar o número de fetos, incluindo corionicidade e amnionicidade
  • Datar a gravidez, através do comprimento crânio-caudal
  • Avaliar a anatomia fetal apropriada ao 1º trimestre, pólo cefálico, coluna vertebral, coração, estômago, parede abdominal, bexiga, rins e membros
  • Quantificar o risco ecográfico de aneuploidias (alterações no número de cromossomas fetais) pela verificação da presença dos ossos próprios do nariz e medição de translucência da nuca.
A ecografia do 1º trimestre e a quantificação de hormonas presentes na circulação materna permitem o cálculo do risco combinado de aneuploidias fetais (Trissomia 21, 13 e 18), cuja predição é maior do que a utilização de cada um dos métodos isoladamente.

A ecografia do 2º trimestre, realizada entre as 20 semanas e as 22 semanas, destina-se essencialmente à identificação de malformações fetais – ecografia morfológica. Nesta devem ser identificadas as seguintes estruturas:
  • Contorno craniano e cérebro
  • Face e pescoço: órbitas, perfil, osso nasal, lábios, maxilares e prega da nuca
  • Tórax: Coração (quatro cavidades, cruzamento das grandes artérias e corte dos três vasos, frequência e ritmo cardíaco) e pulmões
  • Abdómen: parede abdominal, diafragma, fígado, estomago, intestinos, rins e bexiga
  • Coluna vertebral
  • Membros superiores e inferiores: três segmentos e dedos
  • Genitais externos
  • Localização da placenta
  • Cordão umbilical: inserção e número de vasos

Por fim, a ecografia do 3º trimestre deve ser realizada entre as 30 e as 32 semanas e permite avaliar o desenvolvimento fetal e o diagnostico de anomalias tardias. Pretende-se identificar:

  • Apresentação fetal
  • Estimativa ponderal: perímetro cefálico, diâmetro bi-parietal, perímetro abdominal e comprimento do fémur
  • Parâmetros de avaliação do bem-estar fetal: líquido amniótico, movimentos respiratórios, fluxometria, tônus muscular
  • Localização da placenta
Pode ser necessária a realização de ecografias complementares para avaliação de anomalias ou do desenvolvimento fetal, sendo a sua periodicidade adaptada caso a caso.